A POSTURA NA PRÁTICA MEDITATIVA É FUNDAMENTAL

Não esquecer: O factor mais importante é encontrar uma posição adequada na qual seja capaz de meditar de forma minimamente confortável durante um determinado período de tempo, mantendo um equilíbrio dinâmico entre vitalidade e relaxamento.

A Postura

desperta, estável, relaxada

Examinando as posturas de meditação apresentadas nas grandes tradições espirituais podemos verificar que todas elas têm um ponto em comum - a estabilidade inabalável de uma montanha ou árvore. As posturas baseiam-se numa base ampla, que está estável, verticalmente alinhada e confortável. Durante a meditação é importante encontrar uma posição confortável, permitindo manter a prática meditativa pelo menos durante 10 a 15 minutos. Depois de vários milénios de experiência, os grandes mestres reuniram um punhado de posturas tradicionais que parecem funcionar especialmente bem. Apesar de parecerem bastante diferentes, essas posturas têm uma coisa em comum: a pélvis inclina-se ligeiramente para a frente, acentuando a curvatura natural da região lombar e a coluna está sempre vertical, sem tensão.

7 Indicadores da Postura

Escolher um local onde possa estar sem interrupções

OLHOS - olhar levemente para baixo, 4 a 6 pés à sua frente. Ou olhos fechados.
QUEIXO ligeiramente dobrado para manter a coluna cervical alinhada.
A COLUNA segue a curvatura natural - verticalmente alinhada, mas de forma natural.
OSSOS DE ASSENTAR estão equilibrados e estáveis - sem demasiada inclinação para a frente ou para trás.
BRAÇOS paralelos ao tronco, as palmas das mãos caem naturalmente nas coxas.
JOELHOS abaixo dos quadris, com as pernas suavemente cruzadas.
PÉS em contato com o chão, parelelos se estamos sentados num cadeira ou em contato com as coxas.

Lótus e Meio Lótus

Birmanesa, Variações

. Na posição lótus cada pé é colocado com a sola para cima sobre a coxa da perna oposta. Esta posição é muito exigento e não +e, no entanto, essencial. Outra posição é a de semi-lótus onde um pé fica em contato com o chão, debaixo da perna oposta e o outro pé está na parte superior da coxa oposta. Uma terceira alternativa é simplesmente sentarmo-nos numa posição de pernas cruzadas, com os pés apoiados no chão debaixo das coxas opostas. Aconselha-se o sentar-se numa almofada relativamente firme zafu, com as nádegas mais altas do que os joelhos, permitindo mais facilmente manter a coluna ereta. Permitindo também sentar-se por períodos mais longos de tempo sem que os pés e pernas fiquem adormecidos ou dolorosos. Na base poderá estar sobre um zabuton.

Postura Seiza

Pormenores

Há também a posição seiza. Podemos sentarmo-nos na postura seiza sem um zafu, ajoelhado, com as nádegas apoiadas nos pés virados para cima, formando uma almofada anatómica (pode ser desconfortável no início). Ou podemos usar um zafu para manter o peso fora dos tornozelos. Uma terceira forma de sentar na postura seiza é usar o banco de seiza. O banco mantém todo o peso fora dos nossos pés e ajuda a manter a coluna reta. Quando sentados corretamente no banco podemos sentir maior conforto, principalmente nas pernas e joelhos. Como resultado, será possível meditar por mais tempo sem desconforto ou dor. Pode ser necessário experimentar até obter a altura e o ângulo corretos. Devemmos garantir que não haja desconforto nas pernas e tornozelos, e a coluna deve estar reta.

Posturas na cadeira

Pormenores

Manter os pés paralelos e apoiados no chão. Podemos usar um zafu da mesma forma que o usaríamos no chão - colocando-o debaixo de nós na cadeira. Sentados no terço da frente da cadeira. Algumas pessoas gostam de colocar um zafu entre as suas costas e as costas da cadeira, para manter a coluna reta e vertical. Todos os aspetos da postura que são importantes quando sentados no chão ou na postura seiza são também importantes quando sentados numa cadeira.

Postura em Pé

Pormenores

De pé com os pés à largura dos ombros e paralelos um ao outro. Prestando atenção à parte inferior dos pés, podemos sentir que, com exceção dos arcos, todas as partes inferiores dos pés estão em contato com o chão. Podemos imaginar que a parte inferior de cada pé é um retângulo dividido em quatro quadrantes: noroeste, nordeste, sudeste e sudoeste. Tentamos distribuir o peso uniformemente pelos quatro quadrantes. O nosso peso está distribuído uniformemente pela parte inferior dos pés, criar a sensação física e mental de equilíbrio. Peito aberto e ombros ligeiramente reclinadas para trás, sem esforço. As pernas podem estar ligeiramente dobradas. Os braços estão ao longo do corpo, descontraídos. Coluna erecta, com o queixo ligeiramnte inclinado em direção ao peito.

Postura Deitada

Pormenores

A meditação pode ser praticada numa das quatro posturas: em pé, sentado, deitado e a caminhar. A posição sentada será a posição mais indicada. Ela fornece o equilíbrio perfeito de foco e de relaxamento, ou pelo menos tem o potencial para isso. Quando o corpo está na posição vertical, o corpo e a mente tendem a estar mais alertas e atentos. No entanto, a postura deitada tem alguns benefícios que podem ser muito úteis para algumas pessoas em certas situações. Praticando-se em decúbito dorsal implica menor tensão muscular, sendo possível modificar a posição para que se adeque à nossa condição física. Por exemplo, podemos colocar uma almofada debaixo dos joelhos (em caso de dor lombar) e debaixo da cabeça. Posicionamos o corpo numa linha reta, de modo que a coluna fique reta, com os braços confortavelmente ao lado do corpo.

Meditação a Caminhar

Variações

Encontramos um espaço onde podemos andar pelo menos três a quatro metros em linha reta (o espaço pode ser menor) Só vamos praticar num espaço com cerca de 3 a 4 metros antes de nos virarmos e voltarmos.
Estamos de pé, confortáveis, com os pés à largura dos ombros e podemos segurar as mãos à frente ou atrás do corpo. Podemos fechar os olhos por uns momentos. Com uma sensação de estarmos à vontade nesta postura de pé. E focamos a atenção no corpo como um todo, notando quaisquer sensações que possam estar lá ou a ausência de sensações Sem necessidade de alterar seja o que for, apenas notamos.
Podemos abrir os olhos e repousar o olhar à frente e para baixo apenas para ajudar aumentar o foco ao ato de caminhar e ajudar a aumentar o equilíbrio.

Muito lentamente começando a mudar o peso para a perna esquerda e sentido as mudanças subtis do movimento. Trazendo uma atenção microscópica para as subtilezas das sensações neste movimento lento. Mudando todo o peso para a perna esquerda e ficar aí por uns momentos. Sentimos a diferença na nossa experiência entre a perna e pé esquerdo e direitos. Podemos sentir que a perna e o pé esquerdos estão mais pesados, com maior pressão, o pé direito mais leve. Em vez de prestarmos atenção à respiração, ao ar entrando e saindo do corpo a atenção pode ser dirigida para os pés, em seguida, com o peso do corpo no lado esquerdo iniciamos o levantar do pé direito.

Levantamos devagar e podemos repetir mentalmente a palavra levantando, levantando, levantando... E à medida que levantamos prestamos atenção à sensação do pé a subir do chão e o joelho ter que dobrar à medida que levantamos o pé. À medida que movemos o pé para frente mentalmente repetimos a palavra movendo, movendo, movendo... E estamos cientes da sensação do pé a seguir em frente. À medida que colocamos o pé no chão fazemos a nota mental, pousando, pousando, pousando... E estamos cientes do movimento descendente do pé e da pressão do pé, assim ele toca no chão. Novamente levantando, levantando, levantando... Movendo, movendo, movendo... Pousando, pousando, pousando...

E se perdermos o equilíbrio apenas começamos de novo.
O importante ao fazer esta prática é apenas fazê-la o mais conscientemente possível, a cada passo continuamos a prestar atenção às sensações do levar, do movimento e do pousar. Apenas desaceleramos o suficiente para que termos tempo para estar atentos e consciente às sensações. Eu considero que repetir cada palavra três vezes é a velocidade certa para mim, fazemos os ajustes que consideramos necessários, aumentando ou diminuindo o número de vezes que repetimos cada palavra ou podemos optar por não realizar esta nota mental.


Ver Vídeo

Possível Equipamento

Variações

Os bancos de meditação permitem que você se sente em uma posição ajoelhada relaxada, mantendo a postura alinhada, retirando pressão dos joelhos e tornozelos. Almofadas retangulares, ou gomdens, são boas para sentar-se de pernas cruzadas e têm várias alturas e graus de firmeza. Almofadas redondas, ou Zafus, são usadas para sentar de pernas cruzadas ou, colocadas de lado, entre as pernas, para uma postura ajoelhada. A cadeira é utilizada sempre que quisermos ou sentirmos muito desconforto ou dor nas posturas de lótus, de semi-lótus ou seiza. Nas posturas no chão podemos sentarmo-nos sobre um Zabuton. Pode ser muito útil a utilização de um relógio ou timer para definir o tempo da prática.

Posts Relacionados

Próximos Encontros

>